Mensagem a Garcia

O texto abaixo teve sua primeira publicação por volta de 1910. Apesar de passado todo esse tempo, o seu conteúdo é bastante atual. Talvez seja mais atual que em outras épocas. Sabemos que vivemos um apagão de mão de obra mas, acredito que o maior apagão é comportamental e não técnico.

A técnica, podemos ensinar, treinar, capacitar. O comportamento, foi forjado na família, nas escolas, no ambiente social. Esse é mais complicado mesmo porque se, de um lado temos pessoas que trabalham e não entregam a “mensagem a Garcia”, por outro lado temos lideres?!?! Que não sabem que mensagem enviar.

Mas esse é outro assunto e trataremos em um novo Post.

Vamos ao texto.

“UMA MENSAGEM A GARCIA”

Em todo este caso cubano, um homem se destaca no horizonte de minha memória como o planeta Marte no seu periélio. Quando irrompeu a guerra entre a Espanha e os Estados Unidos, o que importava a estes era comunicar-se rapidamente com o chefe dos insurretos, Garcia, que se sabia encontrar-se em alguma fortaleza no interior do sertão cubano, mas sem que se pudesse precisar exatamente onde. Era impossível comunicar-se com ele pelo correio ou pelo telégrafo. No entanto, o Presidente tinha que tratar de assegurar-se da sua colaboração, e isto quanto antes. Que fazer?

Alguém lembrou ao Presidente: “Há um homem chamado Rowan; e se alguma pessoa é capaz de encontrar Garcia, há de ser Rowan”.

Rowan foi trazido à presença do Presidente, que lhe confiou uma carta com a incumbência de entregá-la a Garcia. De como este homem, Rowan, tomou a carta, meteu-a num invólucro impermeável, amarrou-a sobre o peito, e, após quatro dias, saltou, de um barco sem coberta, alta noite, nas costas de Cuba; de como se embrenhou no sertão, para depois de três semanas, surgir do outro lado da ilha, tendo atravessado a pé um país hostil e entregado a carta a Garcia são coisas que não vem ao caso narrar aqui pormenorizadamente. O ponto que desejo frisar é este: O Presidente Mac Kinley deu a Rowan uma carta para ser entregue a Garcia; Rowan pegou a carta e nem sequer perguntou; “Onde é que ele está?”

Hosanas! Eis aí um homem cujo busto merecia ser fundido em bronze imarcescível e sua estátua colocada em cada escola do país. Não é de sabedoria livresca que a juventude precisa, nem instrução sobre isto ou aquilo. Precisa, sim, de um endurecimento das vértebras, para poder mostrar-se altivo no exercício de um cargo; para atuar com diligência, para dar conta do recado; para, em suma, levar uma mensagem a Garcia.”

Para reflexão:

Você que leu esse texto, é capaz de entregar uma “mensagem a Garcia”?

Na sua Empresa existem empregados ( colaboradores ) que entregam “mensagem a Garcia”?