Por que as empresas não conseguem sobreviver?

Um dado estatístico que vem mantendo-se inalterado é o percentual de pequenas e médias empresas que fecham antes de completar dois anos.

Normalmente a conta vai para o governo, com sua abusiva taxa de impostos. No entanto, além dessa verdade, existem outros pontos que trataremos abaixo:

Governo

A carga tributária, previdenciária, taxas e licenças tornam o governo o grande sócio das empresas, com percentual que pode exceder os 30%.

Essa conta fica ainda maior por não haver contra partida na prestação dos serviços essenciais como saúde, educação, segurança, saneamento e transporte público, levando o empresário a, legalmente, oferecer aos empregados essa assistência.

Além de pagar os impostos o empresário ainda paga vale transporte, e em algumas situações tem que oferecer alimentação, pagar plano de saúde e quando não o faz acarreta insatisfação de sua equipe. Por outro lado, a falta de segurança e política de transporte urbano qualificada faz o empregado dispor de mais de três horas diárias para deslocamento além de viver sempre

sobressaltado. Logo o empregado passará a ter sua produtividade prejudicada por estresse e fadiga.

Empresário

Em nosso país, verificamos uma forte tendência ao empreendedorismo. Mais e mais pessoas acabam optando por desenvolver seu próprio negócio sempre com a expectativa de ganhar mais, trabalhar menos e poder decidir sobre sua vida profissional. O que vemos no entanto, é um grande número de pessoas que dominam o “negócio” mas não conhecem as técnicas de gestão e administração de empresas. Os erros, fatalmente, começam

desde a concepção do ramo de atividade, registros, modelo tributário adequado, definição do investimento inicial necessário, capital de giro, definição do modelo de gestão, formação dos recursos físicos, humanos e tecnológicos capazes de suportar a operação do negócio. Além desses fatores existem vários outros que precisaríamos de um livro para descrever. O que identificamos é um foco total na operação e na estrutura física em detrimento da definição dos recursos humanos – organograma, atribuições e responsabilidades, remuneração adequada – e dos recursos tecnológicos – sistema de gestão, equipamentos necessários ao apoio operacional. Como resultado, encontramos empresas bem formatadas fisicamente e operacionalmente, mas sem nenhuma estrutura de controle e gestão.O resultado todos já sabemos.

O que fazer?

Na decisão de ser empreendedor, é necessário:

1. Definir claramente o negócio;

2. Elaborar um Plano de Negócios;

3. Implantar o Plano de Negócios;

4. Definir claramente o modelo de gestão;

5. Definir a Estrutura Organizacional e procedimentos básicos;

6. Definir quem queremos em nossa empresa, contratar e valorizar;

7. Dotar a empresa dos sistemas de controles necessários;

8. Estabelecer e acompanhar as metas financeiras, físicas e de produtividade;

9. Avaliar mensalmente os resultados operacionais e líquidos;

10. Revisar periodicamente o Plano de Negócios;

11. Contratar os melhores, sempre.

O objetivo desse texto é provocar e despertar nos empreendedores o interesse na transformação do negócio em empresa e não se esgota aqui.

Lembrem que a matéria Administração de Empresas é estudada em quatro anos no ensino superior.

Leiam também o texto Empreendedores X Empresários nesse blog.